PEÇA O TESTE ANTI-HCV

POR TRÁS DO DIABETES TIPO 2 PODE ESTAR A HEPATITE C.

GRUPOS DE RISCO DA HEPATITE C

Saiba quem corre maior risco de contrair ou de já ter contraído a Hepatite C.Por motivos diversos, alguns grupos de indivíduos são mais suscetíveis à infecção pelo vírus da Hepatite C. Saber quais são estes grupos é a melhor forma de prevenir a transmissão e de se convencer a fazer o teste anti-HCV o mais rápido possível.

Indivíduos com mais de 40 anos e os que fizeram transfusão de sangue até 1993 requerem atenção especial, já que a doença era desconhecida até então e os exames pré-operatórios simplesmente não incluíam o teste específico para a doença.

O risco de infecção pelo HCV é maior em alguns grupos. São eles1:

  • Pessoas que receberam transfusão de sangue e/ou produtos derivados de sangue antes de 1993;
  • Indivíduos que usavam ou usam drogas;
  • Pessoas que compartilham seringas e agulhas2;
  • Indivíduos que têm tatuagem ou piercing;
  • Pessoas que passaram por procedimentos que envolvem sangue ( tratamento dentário, podologia, manicure e pedicure) e nos quais podem não ter sido observadas normas de biossegurança3 como, por exemplo, a esterilização de instrumentos.

A transmissão sexual da hepatite C é pouco frequente e muito debatida. Ocorre principalmente em indivíduos com múltiplos parceiros e prática sexual de risco sem uso de preservativo4.

A presença de outras doenças sexualmente transmissíveis, como a AIDS, pode facilitar a transmissão5.

Também há casos de transmissão da mãe para o bebê durante a gravidez, mas em proporção muito pequena6. A chance desse tipo de infecção é de cerca de 6% e a amamentação é considerada segura pela maioria dos médicos7.

  1. Ministério da Saúde – Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Hepatite C e Coinfecções. Brasília, 2015 , pp 18.
  2. Kolling, Castro, & de Kastro, 2007; Hope, et al., 2013; Sociedade Brasileira de Hepatologia, 2011; Mesquita F. , 1991).
  3. (Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica, 2005; Varella, 1999).
  4. Thappa, 2000; Bradshaw, Matthews, & Danta, 2014).
  5. Walsh, A review of viral hepatitis and HIV coinfection among injecting drug users and assessment of priorities for future activities, 2009; Hagan, et al., 2014; Gorgos, 2013.
  6. Asian Pacific Association for the Study of the Liver (APASL) Hepatitis Working Party, 2007).
  7. Fundação Oswaldo Cruz: https://www.bio.fiocruz.